Na rua, pratico a arte como uma forma de ativismo, como um alerta sobre as ações prejudiciais do ser humano em relação à natureza,

e a busca por uma maneira ecológica  de viver.

Nos ambientes internos,

adapto paisagens aos

espaços dispostos,

tendo como referencia

a natureza e

a cultura local.